Você está aqui: Entrada Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Barcelos

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Barcelos

II Congresso Intermunicipal de Proteção de Crianças e Jovens

 

Vai decorrer entre 6 e 7 de outubro de 2016, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, o II Congresso Intermunicipal sobre Proteção de Crianças e Jovens, sendo o Município de Barcelos um parceiro do evento. Estão também envolvidos na organização as Câmaras Municipais de Esposende, Vila Verde e Vila Nova de Famalicão, assim como as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens dos respetivos Municípios.

O objetivo do evento, para além de fomentar o debate e partilha no aprofundamento de questões relacionadas com a proteção na infância e juventude, passa pela criação de um diálogo interinstitucional que permita uma maior articulação e concertação entre municípios neste domínio. Além dos representantes do município, estarão presentes várias figuras destacadas desta área nomeadamente os juízos conselheiros Armando Leandro, Álvaro Laborinho Lúcio e Clara Sottomayor, representantes de instituições (Centro Hospitalar São João, Alto Comissariado para as Migrações, Polícia Judiciária, Rede Ex-aquuo, Associação Movimento Livre, Associação Projecto Criar) e de estabelecimentos de ensino (Escola da Ponte, Universidade do Minho, Universidade do Porto, Universidade de Aveiro, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Universidade de Coimbra, Universidade Fernando Pessoa, Universidade de Vigo e ISCTE).

À semelhança da primeira edição, que decorreu em Esposende, em 2014, o congresso é aberto à comunidade em geral mas dirigido sobretudo a profissionais cujas funções contemplem a intervenção ou investigação com crianças e jovens em famílias de risco ou perigo. O programa e condições de inscrição podem ser consultados na página oficial em www.2cipcj.wixsite.com/2016.

 

 

 

História do Laço Azul (Blue Ribbon)
A Campanha do Laço Azul (Blue Ribbon) iniciou-se em 1989, na Virgínia, E.U.A. quando uma avó, Bonnie W. Finney, amarrou uma fita azul à antena do seu carro “para fazer com que as pessoas se questionassem”.
A história que Bonnie Finney contou aos elementos da comunidade que se revelaram “curiosos” foi trágica e sobre os maus-tratos à sua neta, os quais já tinham morto o seu neto de forma brutal. E porquê azul? Porque apesar do azul ser uma cor bonita, Bonnie Finney não queria esquecer os corpos batidos e cheios de nódoas negras dos seus dois netos. O azul servir-lhe-ia como um lembrete constante para a sua luta na protecção das crianças contra os maus-tratos.

 

História do Laço Azul (Blue Ribbon)

 

A Campanha do Laço Azul (Blue Ribbon) iniciou-se em 1989, na Virgínia, E.U.A. quando uma avó, Bonnie W. Finney, amarrou uma fita azul à antena do seu carro “para fazer com que as pessoas se questionassem”.

A história que Bonnie Finney contou aos elementos da comunidade que se revelaram “curiosos” foi trágica e sobre os maus-tratos à sua neta, os quais já tinham morto o seu neto de forma brutal. E porquê azul? Porque apesar do azul ser uma cor bonita, Bonnie Finney não queria esquecer os corpos batidos e cheios de nódoas negras dos seus dois netos. O azul servir-lhe-ia como um lembrete constante para a sua luta na protecção das crianças contra os maus-tratos.

A CPCJ—Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Barcelos pretende dar continuidade à história desta avó.

Pretende-se demonstrar como o efeito da preocupação de um único cidadão pode ter no despertar das consciências do público em geral relativamente aos maus-tratos contra as crianças, na sua prevenção e na promoção e proteção dos seus direitos.

Neste mês já estão em marcha um conjunto de atividades, entre as quais se destacam a elaboração de um arco de romaria da freguesia de Adães, alusivo ao tema do laço azul, uma dinâmica de sensibilização dirigida às crianças do 1º ciclo, a colocação de filtros azuis na iluminação de algumas fachadas de edifícios da cidade, assim como a adesão das várias entidades do concelho, com iniciativas diversas, na reflexão sobre este temática.

Apelamos ainda a todas as instituições e comunidade em geral que neste mês, possam construir e  usar um laço azul e possam partilhar com toda a comunidade as suas iniciativas.

Alerte a comunidade onde está inserido, chame a atenção, sensibilize a sua comunidade para a defesa das crianças contra os maus tratos! Esta é uma responsabilidade de todos!

 


 

Mais informações

 

Geocaching dos direitos!

O geocaching é a caça ao tesouro dos tempos modernos. Promove a exploração do património natural e cultural através de um estímulo que passa pela procura de recipientes escondidos (geocaches) em locais estratégicos por todo o mundo, através de coordenadas ou pistas.

O objetivo não é o de ficar com o(s) “tesouro(s)” para si mas assinalar que se descobriu a geocache e contribuir para a sua divulgação.

O geocaching dos direitos é uma atividade promovida pela CPCJ de Barcelos cujo objetivo é o de sensibilizar para os direitos da criança, de uma maneira lúdica, pró ativa e juvenil.

Os interessados deverão procurar as geocaches escondidas pela cidade de Barcelos e escrever os seus comentários nos blocos que encontrarem em cada geocache, sem os remover. Os blocos foram ilustrados para esta atividade, representando os direitos das crianças e têm dados importantes sobre estas temáticas bem como a pista para as geocaches seguintes (dez no total).

Encontrarão também um objeto representativo do direito descrito (não deverão remover esses objetos a não ser que tenham outro de igual significado em substituição).

Garantimos reflexão interessante sobre o tema, acesso a arte e alguma aventura.

 

Venha conhecer Barcelos através dos direitos da criança!

Boa exploração!

 

O percurso inicia em:

 

Pista 1:

De costas para a igreja de Santa Maria Maior à direita o solar dos pinheiros e à esquerda eis o castelo com o seu esplendor ao centro do jardim o pelourinho e mesmo no cantinho bem escondidinho encontras o primeiro tesourinho mas que belo alojado na parede lateral do castelo

 

(N 41º31.693; W 008º37.333)